sábado, 22 de dezembro de 2012

A PÁGINAS TANTAS

Na berma de nenhuma estrada é o livro de que hoje vos vou falar. Mia Couto, o autor, tem uma escrita muito peculiar e própria dele mesmo, em que mistura vocábulos, expressões e mesmo frases, ao seu jeito, numa invenção contínua e marcando um estilo muito pessoal. É um autor que me agrada desde as primeiras palavras que leio. Ora ouça: “Quem amamos nasce antes de haver o tempo. Passou o tempo e Ofélia era ainda a única mulher no mundo. Eu a via passar na rua, afastava os cortinados e o universo ganhava súbita explicação. Ela parava no passeio, sentindo que estava sendo contemplada. Meus olhos a tornavam sagrada. E não havia palavra. Passou o tempo mas a cintura dela se conservava menininha, convidando as mãos a circum-navegarem seu corpo. - Você é linda, Ofélia. Mas ela! Não eram essas as palavras que mexiam em sua alma. - Diga que sou eterna – pedia. Eu não era capaz de cumprir aquele pedido. Algum senão me desviva a voz. E nunca repeti tão solicitadas palavras.” Este é o princípio do conto "Ofélia e a eternidade”, um dos 38 contos que compõem este livro: Na berma de nenhuma estrada para ler com urgência!

Sem comentários:

Enviar um comentário