quarta-feira, 28 de novembro de 2018

FEIRA DO LIVRO NATAL 2018


A Biblioteca da Escola Secundária do Agrupamento de Escolas do Fundão dinamiza, mais uma vez, a Feira do Livro, entre os dias 26 de novembro e 14 de dezembro. Uma excelente oportunidade para adquirir livros a preços mais atrativos!

Aproxima-se o Natal e com ele a possibilidade de oferecer a quem mais gostamos um presente, que pode ser aberto milhares de vezes.😊

O convite é extensivo à comunidade escolar e aos pais!

Compre livros e Leya muito!




Alguns alunos do 6ºA vieram dar uma ajudinha na preparação da Feira do Livro. A eles, pelo empenho, o nosso agradecimento!







segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Concurso Nacional de Leitura


É já no próximo dia 7, a fase escolar do Concurso Nacional de Leitura, para todos os ciclos de ensino.

Se ainda não te inscreveste, ainda vais a tempo! Fá-lo junto d@ teu/tua professor/a de Português.

Embarca nesta aventura da leitura!

Os livros escolhidos são


- 1º ciclo: O Rouxinol, Hans Christian Andersen

- 2º ciclo: A Namorada Japonesa do Meu Avô, José Fanha

- 3º ciclo: Quem me dera Ser Onda, Manuel Rui

- Ensino secundário: Histórias de Ver e Andar, Teolinda Gersão

sábado, 24 de novembro de 2018

Meu Pé de Laranja Lima - 3º ciclo


Meu Pé de Laranja Lima

SINOPSE
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 3º ciclo, destinado a leitura autónoma.

Esta é a história comovente de Zezé, um menino de seis anos nascido no seio de uma família muito pobre. Zezé é inteligente, sensível e criativo, mas muito endiabrado. Carente do afeto que não encontra junto do pai e da mãe, mais preocupados em sobreviver a cada dia, o menino perde-se nas ruas, onde só lhe dá para inventar travessuras.

Tendo aprendido demasiado cedo a dor e a tristeza, Zezé acaba por usar o mundo da sua imaginação para fugir da realidade da vida: toma por confidente um pé de laranja lima, a que chama Xururuca e ao qual revela os seus sonhos e desejos. Será nesta fantasia que Zezé vai encontrar a alegria de viver e a força para vencer as suas adversidades. O Meu Pé de Laranja Lima é a obra maior de José Mauro de Vasconcelos, um dos grandes nomes da literatura brasileira. Um livro que urge descobrir, ou reencontrar, e que é aclamado como um dos mais importantes livros juvenis em língua portuguesa.


quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Sessão Envelhecimento Ativo - Fundão

Ontem, pelas 10h05, a turma TAS 18 (Técnico Auxiliar de Saúde), com as suas professoras de Saúde (prof. Alda Fidalgo) e de Educação Física (prof. Cristina Cruz), no âmbito do projeto “EnvelhoSer LivroMente”, mais uma vez levaram a cabo a atividade de envelhecimento ativo, desta vez no Lar de Nossa Senhora de Fátima, no Fundão. 

Foi um momento de boa disposição, de partilha de saberes, de exercício e convívio. 

Congratulamos as professoras e @s alun@s por este momento tão especial!

















quarta-feira, 21 de novembro de 2018

LUDOTECA DO AEF

A Ludoteca tem sido um sucesso e os alunos já estão a usufruir dos novos jogos.
Agradecemos a toda a equipa de professores que acompanha os alunos nesta nova valência da biblioteca e, em especial, à professora Isabel Rosa que a tem dinamizado.







Os Piratas - 6º ano


Os Piratas

SINOPSE
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 6º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada.

O texto de Os Piratas, juntamente com outros, resultou da colaboração do autor num projecto mais vasto ligado a um filme de Raúl Ruiz. Foi originalmente publicado em livro em 1986, tendo o autor mantido o nome da personagem por ser esse também o seu nome e o conto ser narrado na primeira pessoa, muito embora - segundo advertência do próprio - nada tenha de autobiográfico. Esta nova edição vem integrar-se na Biblioteca Juvenil do Autor que a ASA acaba de lançar e inclui ilustrações com assinatura de José Emídio.

                                           In https://www.wook.pt/livro/os-piratas-manuel-antonio-pina/41108

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Ana de Londres - ensino secundário e profissional


Ana de Londres

SINOPSE
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura.

Nos anos 60, Portugal vive a angústia de ver partir a sua juventude para a guerra. Fechado sobre si mesmo, é um país triste e retrógrado que contrasta com a explosão de vida na Europa. Neste ambiente, Ana, com dezoito anos, não consegue realizar os seus sonhos. Contra a vontade dos pais e confiante no amor, parte para Londres.
Na capital inglesa, planeia uma nova vida, junto de quem mais ama, João Filipe, que fugira da Guerra Colonial. Mas estará Ana preparada para tão intensos desafios?
Cristina Carvalho, escritora que a cada novo livro confirma uma originalidade admirável, surpreende com Ana de Londres, memória de uma juventude que escolheu a emancipação e ousou libertar-se das amarras de uma sociedade redutora.
Com ilustrações do pintor Manuel San-Payo e prefácio de Miguel Real, este livro é um retrato de um tempo histórico que deixou profundas marcas na sociedade portuguesa.

                                    In https://www.wook.pt/livro/ana-de-londres-cristina-carvalho/15222114

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Visita da escritora Pat R


A jovem escritora Pat R esteve na biblioteca, onde apresentou a sua obra, em particular o seu último livro, Os homens nunca saberão nada disto, de uma forma que cativou totalmente os alunos, do princípio ao fim.
As sessões destinaram-se a alunos do secundário e Pat, falando da sua mais recente obra, explicou que a história tem início na primavera de 1969, na Califórnia, ano em que Ian e Jeannette dormem juntos. Dezoito dos possíveis filhos deste encontro vão narrar a história, através de vários anos, nomeadamente através do futuro: um dos capítulos é narrado em 2035 e outro em 2069.
A música é um elemento muito importante e atravessa toda a história, havendo mesmo notas musicais de margem, em que se aconselha a leitura de determinadas passagens ouvindo uma certa música.
Trata-se de um romance dotado de grande simbolismo, em que as ilustrações, a par da música, são muito relevantes, tendo a autora trabalhado com 23 ilustradores portugueses e estrangeiros. Ao longo das sessões, e uma vez que, entre os alunos se contavam alunos dos cursos de artes, Pat explicou as opções gráficas e algumas das ilustrações, tendo salientado, a certa altura, a ilustradora portuguesa Sara Feio.
Questionada por um aluno relativamente ao título e à sua possível interpretação, esclareceu que foi inspirado num livro escrito à mão pelo seu pai que, contendo mensagens muito subjectivas, apenas era compreendido por ele próprio. Também na obra da autora, como na vida, muitas coisas não são compreendidas pelos homens, daí o título do livro, onde “homens” se refere à humanidade.

Por fim, resta-nos referir que a obra se divide em três partes: o livro, propriamente dito, um cd com as músicas nela referidas e um livro contendo as ilustrações, o Livro de Extras, que, embora se conjuguem, podem ser consultados e comprados separadamente.






quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Sessão envelhecimento ativo - Valverde

Ontem, pelas 10h05, a turma TAS 18 (Técnico Auxiliar de Saúde), com as suas professoras de Saúde (prof. Alda Fidalgo) e de Educação Física (prof. Cristina Cruz), no âmbito do projeto “EnvelhoSer LivroMente”, empreenderam a atividade de envelhecimento ativo no Centro Paroquial Bem-estar Social de Valverde, com um momento muito divertido de exercício físico e dança, onde as duas gerações puderam conviver. Um projeto que também promove a formação de cidadãos capazes de ler o mundo.

Não Sabemos Ler o Mundo
(…) a ideia de leitura aplica-se a um vasto universo. Nós lemos emoções nos rostos, lemos os sinais climáticos nas nuvens, lemos o chão, lemos o Mundo, lemos a Vida. Tudo pode ser página. Depende apenas da intenção de descoberta do nosso olhar. Queixamo-nos de que as pessoas não leem livros. Mas o deficit de leitura é muito mais geral. Não sabemos ler o mundo, não lemos os outros.

Vale a pena ler livros ou ler a Vida quando o ato de ler nos converte num sujeito de uma narrativa, isto é, quando nos tornamos personagens. Mais do que saber ler, será que sabemos, ainda hoje, contar histórias? Ou sabemos simplesmente escutar histórias onde nos parece reinar apenas silêncio?

Mia Couto, in E Se Obama Fosse Africano?